01.12.2019 | 11h:39
Tamanho do texto A - A+

Russi pede bom senso a servidores: "Podem ter que perder um pouco"

DA REDAÇÃO

RAFAEL MACHADO

O deputado estadual Max Russi (PSB) espera bom senso dos servidores públicos durante as discussões, com o governo, na elaboração do projeto da reforma da Previdência estadual. Ele destacou que as medidas são necessárias para evitar rombo que inviabilize o pagamento dos aposentados.

"Nada mais sensato e correto do que os próprios servidores pensarem naquilo que será sua Previdência, naquilo que será sua aposentadoria, então é importante essa participação dos servidores, mas também é importante o bom senso, muitas vezes, tem que perder um pouco dar um passo para trás, para avançar dois para frente", disse à imprensa durante apresentação da retoma do Hospital Cemtral e Hospital Júlio Muller.

No início dessa semana, o governador Mauro Mendes (DEM) reuniu com representantes sindicais para discutir o texto que deve ser enviado a Assembleia Legislativa na primeira quinzena de dezembro. Ele deu o prazo de 15 dias para que apresentem sugestões sobre mudanças na minuta.

"Parece que a reunião foi bastante produtiva. Os servidores são reticentes em algumas pautas da reforma da Previdência, mas também entende que é uma pauta que interessa a todos. Não adianta a gente ter muito benefício e não ter condição de receber o nosso aposento", comentou.

Déficit estadual

O governador tem destacado que por mês o Estado tem déficit de R$ 115 milhões somente com Previdência. Esse dinheiro, segundo Mauro, é retirado dos impostos que os mato-grossenses pagam que deveria ser aplicado em investimentos.

Ele ainda alertou que se a reforma da Previdência não for aplicada no Estado nos próximos anos, há a possibilidade de um rombo nos cofres públicos de R$ 31 bilhões.

Atualmente, a minuta de uma reforma da Previdência, parecida com a proposta que foi promulgada pelo Congresso Nacional, está sendo analisada pelo Conselho da Previdência formada pelos chefes e representantes dos poderes e dos servidores públicos estaduais.

O principal ponto da reforma estadual é o aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores de 11% para 14%.