04.11.2019 | 15h:20
Tamanho do texto A - A+

Emanuel marca anúncio sobre reeleição no aniversário de Cuiabá

DA REDAÇÃO

RAFAEL MACHADO

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB) disse que ainda não definiu se será ou não candidato à reeleição. Ele afirma que vai anunciar sua decisão aos aliados políticos até o aniversário da Capital, 8 de abril do próximo ano.

No entanto, ele afirma que, se fosse para definir agora, não seria candidato. O emedebista argumenta que não fará igual ao governador Mauro Mendes (DEM), que deixou para anunciar próximo das convenções que não disputaria reeleição ao comando do Palácio Alencastro.

“Não decidi a minha candidatura mesmo, e se for para decidir agora não serei candidato. Por isso pedi aos aliados que aguardem até abril, até o aniversário de Cuiabá. Decido isso com eles, se não for candidato vamos unir o grupo e dar sequência ao trabalho para fazer um grande projeto para Cuiabá continuando nos rumos da nossa gestão promovendo acertos preparando o projeto para mais quatro, oito anos e buscar candidato que agregue e que simbolize o grupo”, disse durante o lançamento do projeto “Enxergar é Humanizar”, nesta segunda-feira (4).

O prefeito também comentou sobre eventual apoio do DEM, partido do governador, sobre sua possível candidatura como lideranças democratas no Estado, como os irmãos Jayme e Júlio Campos, o líder do governo, deputado Dilmar Dal Bosco e o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho.

No entanto, existe uma ala na sigla, liderada pelo governador e pelo presidente do partido em Mato Grosso, suplente de senador, Fábio Garcia, que defende candidatura própria e outra, de oposição à atual gestão.

Sobre as discussões com o governador, o prefeito disse que não tem atacado o democrata e que apenas responde às críticas e agressões.

 “Vocês são testemunhas. Todos esses ataques que tenho recebido até por parte do próprio governador têm partido dele, nunca partiu de mim. Eu só reajo, às vezes, quando vêm os ataques que considero injustos e sem nenhum propósito, sem sentido”, alegou.