09.10.2019 | 15h:11
Tamanho do texto A - A+

Botelho diz que Riva nega delação e documento não tem validade

DA REDAÇÃO

KAROLLEN NADESKA

 O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM) considera que seja falsa a suposta proposta de delação premiada, do ex-deputado José Riva ao Ministério Público Estadual, que tem sido divulgada pela imprensa nesta semana e que complica uma série de deputados, ex-deputados e ex-governadores que estiveram no poder entre 1995 e 2015, período em que o documento de 105 páginas relata uma série de esquemas de corrupção.

Botelho disse que entrou em contato com membros do Ministério Público Estadual para checar se de fato houve uma proposta de acordo com a procuradora da Justiça, Ana Cristina Bardusco, em março deste ano. No entanto, as autoridades negaram a informação. Botelho disse ainda que Riva garantiu a ele que o documento “não tem veracidade”, mas não entrou no mérito de ter tentado ou não essa prática com o MPE.

“Primeiro nós [deputados] temos que aguardar a autenticidade. Falamos com alguns membros do Ministério Público Estadual e eles não confirmaram. Falei com o ex-deputado José Riva e ele também não confirmou, diz que não tem veracidade”, afirmou o parlamentar na noite de terça-feira (09).

 Botelho comentou que o documento não contém assinaturas portanto não tem qualquer validade.

“O documento não está assinado nem nada. Nós estamos vivendo na onda dos fakes”, critica.

O presidente do Parlamento ainda disse estar acreditando na palavra de Riva.

 “Disse que não procede e eu estou acreditando nisso”, finaliza.

Questionado sobre a prática do 'mensalinho' relatada na suposta proposta de delação, Botelho rechaçou qualquer possibilidade dessa ilegalidade.

“Isso não existe. Desde que eu entrei, em 2015, isso não existe mais, garanto”, disse.

A suposta delação de José Riva vazou na imprensa e contém conteúdos sobre esquemas, pagamento de propinas divernas, superfaturamento em contratos com o Governo do Estado, na época em que ele era membro do Parlamento. Riva esteve no comando da Assembleia Legislativa por cerca de 20 anos.

No documento, ele supostamente conta sobre o pagamento de propinas a deputados para compra de votos de várias eleições da Mesa Diretora.

Botelho ao ser questionado sobre a imagem manchada da Assembleia pontua que, mesmo com um possível afastamento de parlamentares, ele não teme que a instituição seja afetada e declara que esta "é maior que todos".

“A Assembleia Legislativa é maior do que todos. Arranha pessoas, mas a instituição vai perdurar e se sair essas pessoas vão entrar outras”, comenta.