Exibido em: 18.02.2020
QUEBRA DE DECORO

Vereadores de Cuiabá podem votar cassação de Abílio antes do Carnaval

A CCJR tem 15 dias úteis para concluir o relatório, mas o presidente Lilo Pinheiro não descarta que isso possa ser feito ainda esta semana.

Assessoria

DA REDAÇÃO

O presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), da Câmara de Cuiabá, vereador Lilo Pinheiro (PRB) afirmou, ao Conexão Poder, que o parecer sobre o processo de cassação do vereador Abílio Júnior (PSC) pode ser votado pela Casa ainda antes do Carnaval.

Segundo ele, tudo depende da análise do relator do caso, o vereador Wilson Kero Kero (PSL) que é responsável por analisar a matéria e concluir se houve quebra de decoro parlamentar. O relatório é votado pelos membros da CCJR, que então encaminham o parecer à Mesa Diretora da Câmara, que só depois coloca em votação para os demais vereadores. A Comissão recebeu o caso no último dia 13 e tem o prazo de 15 dias úteis para finalizar o trabalho.

Na segunda-feira (17), uma série de publicações nas redes sociais, conclamava a população para protestar nesta terça-feira (18), contra a votação que ocorreria nessa data.

De acordo com Lilo, o caso ainda está em análise, mas o tempo dessa conclusão é independente do texto do relatório encaminhado pela Comissão de Ética ser extenso e por isso não descarta que seja finalizado esta semana.

A próxima reunião da CCJR está marcada para quarta-feira (19) e além desta terça-feira (18), a Câmara de Cuiabá tem sessões ordinárias na quinta-feira (20).

Fazem parte da Comissão de Constituição, Justiça e Redação os vereadores: Lilo Pinheiro (PRB), Juca do Guaraná Filho (Avante), Wilson Kero Kero (PSL), Renivaldo Nascimento (PSDB), Sargento Joelson (PSC) e Chico 2000 (PR).

Quebra de decoro parlamentar

O processo de cassação contra Abílio foi instaurado após representação de seu suplente, Oseas Machado (PSC), que o acusou de ter praticado ‘de forma reiterada e conscientemente atos incompatíveis como decoro parlamentar, por abuso de prerrogativas constitucionais asseguradas ao vereador’.