Exibido em: 27.11.2019
MIL VAGAS

Segurança: Preso tem que trabalhar; VG terá presídio com indústria

Conexão Poder

DA REDAÇÃO

Ao comentar o problema da superlotação nos presídios de Mato Grosso, que contam com a população carcerária de 12 mil detentos, o secretário de Segurança Pública do Estado, Alexandre Bustamante declarou, em entrevista ao Conexão Poder, que o Governo do Estado deve inaugurar no próximo ano, uma nova unidade, em Várzea Grande, com cerca de mil vagas que terá indústria de concreto e viveiro, nos quais os presos irão trabalhar.

“É uma unidade produtiva onde teremos duas industrias lá para que os presos trabalhem. É uma concepção totalmente diferente do modelo que tinha de segregar da sociedade, simplesmente colocar o preso dentro da unidade. Não. Ele tem que se ressocializar, porque querendo ou não, um dia esse preso volta para a sociedade e se a gente não der uma atividade para ele para que ele volte, ele vai viltar para o crime”, comentou o secretário.

O presídio de Várzea Grande será o maior do Estado.

Outra unidade prisional está sendo construída em Peixoto de Azevedo, Norte do Estado, com capacidade para 275 presos.

“Temos um índice de reincidência muito alto e a gente quer reduzir esse índice de reincidência e manter o preso que está lá dentro, na condição de trabalhar e estudar, porque ele vai voltar um dia para a sociedade . Não existe prisão perpétua e nem pena de  morte no Brasil”, destacou Bustamante.

Ainda na entrevista, o secretário falou  sobre  a ação de ‘limpa’ na Penitenciária Central do Estado (PCE), antigo Presídio Pascoal Ramos, que continua até dezembro, e a reestruturação do sistema prisional, que está sendo feita em todo o Estado.

Veja o vídeo:

01 Comentário(s)

Lucas Francisco da Silva - 27.11.2019

1.000 vagas ainda é Pouco Temos 18.000 mil Mandados de prisão em Aberto. Então secretário agiliza as inaugurações e ampliações. Fora que o estado hoje Funciona com o Mínimo do mínimo do mínimo. Assim mau da para Fazer a custódia do preso. Então para ressocialização é necessário efetivo.