Exibido em: 10.11.2019
NOVO PRONTO-SOCORRO

Emanuel diz que encontrou obra do HMC abandonada: "Era bucha de canhão"

RepórterMT

DA REDAÇÃO

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), disse que no início de sua gestão encontrou as obras do Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) completamente abandonadas e com problemas estruturais. Elecomparou a situação da obra com “verdadeira bucha de canhão”.

Durante visita ao hospital, nesta sexta-feira (8), Emanuel comentou que na primeira visita como prefeito no local encontrou a obra com diversos problemas e acusou o governador Mauro Mendes (DEM), seu antecessor, de ter largado a obra e reiterou que se não fosse sua gestão o projeto iria virar um novo VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).

“[Mauro Mendes] Abandonou a obra. Largou aqui uma verdadeira bucha de canhão, essa é a verdade, essa é pura verdade. Conversa com o pessoal do consórcio, uma obra abandonada no meio do mato, cheio de problemas estruturais, técnicos de toda ordem, de toda problema que você imaginar, eu falei se eu não fosse focado, se eu não fosse minha gestão aqui iria virar um novo VLT, um Júlio Muller, está aí o Hospital Central 30 anos abandonado era só eu ter a conduta de alguns gestores que, aliás, é a conduta mais conveniente, a mais confortável em judicializar, mas fui ao caminho mais penoso”, ponderou.

Ele ainda comentou sobre as críticas, principalmente da oposição, por ter inaugurado o hospital em etapas. Ele destacou que a medida foi adotada por questões de segurança. O prefeito ressaltou o lançamento em etapas foi aprovado pelo Ministério da Saúde.

"Não estou abrindo um estádio de futebol. Estou abrindo a maior unidade de saúde do Estado e dentro dele vai funcionar o Pronto-Socorro. Eu fui responsável e não me arrependo", frisou.

Nessa semana, o prefeito comentou que era o pai do projeto por ter conseguido recursos necessários para conclusão da obra e para equipá-la. A paternidade do Hospital Municipal de Cuiabá gerou troca de farpas entre o prefeito da Capital e o governador nos últimos dias.

Mendes comentou que a população sabe que a área, o projeto, a licitação e a ordem de serviço ocorreram durante sua gestão à frente do Palácio Alencastro.