Exibido em: 25.03.2020
CRISE DO CORONAVÍRUS

Análise: Proibição total não resolve; Emanuel e Mauro acertam em flexibilizar

A avaliação é sobre o cenário de crise causada pela pandemia e como podem refletir as ações dos governantes em flexibilizar ou impedir funcionamentos.

Reprodução

DA REDAÇÃO

Diante das decisões tomadas pelo governador Mauro Mendes (DEM) e o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), somado ao pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que pediu o fim do isolamento total, o jornalista Mauro Camargo, ex-secretário de Comunicação do Governo do Estado, fez uma análise, em entrevista ao Conexão Poder, sobre o panorama atual e como as medidas dos governantes podem refletir na vida de cada um.

Para Camargo, o polêmico pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro mostrou clara preocupação com o impacto econômico e social, se for mantido o isolamento total, já que o Governo não tem como manter todo mundo. Ele pontua que faltou Bolsonaro saber se expressar melhor.

O jornalista avalia que 15 dias de isolamento total não resolveria a crise da pandemia no Brasil, já que devem ser meses de dificuldades, portando as medidas têm que ocorrer conforme cada ciclo. Ele podera que o isolamento total daqueles em grupos de risco tem que ser mantido, assim como proibida a aglomeração de pessoas para poder preservar vidas.

Ao Conexão Poder, Mauro Camargo também avaliou como sensatas as decisões do prefeito da Capital, Emanuel Pinheiro e do governador Mauro Mendes, quando flexibilizaram o isolamento liberando o funcionamento de alguns segmentos comerciais e também o transporte público.

“Uma paralisação dessas ela vai ter efeito na vida de todo mundo. O que a gente precisa tomar cuidado, e por isso acho que essa flexibilização, o funcionamento de algumas cadeias é super importante. Não pode parar o transporte de alimentos. Se você provoca desabastecimento aí o quadro vira quadro de caos. Indústrias precisam funcionar e toda a cadeia de serviços que move isso. Tem que ter oficina, borracharia, auto peças. O que precisa fazer agora para garantir que tenha abastecimento até de medicamentos,  é tomar cuidados para que em cada serviço desse haja orientação técnica da área de saúde”, comentou.

Camargo ainda destaca que não é ruim que os governos revejam seus posicionamentos e observa que as medidas agora devem ser mais eficientes em Mato Grosso, já que está havendo unificação das ações entre prefeituras e Governo do Estado.